A endoscopia examina as estruturas internas através de um tubo flexível para visualização, o endoscópio. O exame também pode ser utilizado para tratar vários distúrbios, uma vez que o médico consegue passar instrumentos pelo tubo.

O endoscópio, ao ser introduzido pela boca examina órgãos como o esôfago, o estômago e parte do intestino delgado.

Geralmente a endoscopia é realizada para identificar sinais de doenças, como: como gastrite, esofagites e refluxo gastroesofágico, além ajudar no diagnóstico de doenças mais graves, como o câncer de estômago e a hérnia de hiato.

A endoscopia digestiva alta analisa a parte superior do tubo digestivo e é um dos exames mais comuns e eficazes para identificar (e às vezes até tratar) doenças do aparelho digestivo.

Quando a endoscopia de ser realizada?

A endoscopia deve ser realizada quando o paciente reclama de sintomas, como: azia, queimação, falta de apetite, sensação de estufamento e perda de peso, se os sintomas persistem por mais de uma semana.

O exame também pode ser indicado para detectar tumores precocemente, em especial os de esôfago e de estômago. De acordo com fatores de risco (como esôfago de Barrett ou presença de casos de câncer gástrico na família, por exemplo), o oncologista pode indicar a realização do exame com certa frequência.

Para fazer o exame:

O paciente tem que estar em jejum de 8 a 12 horas (inclusive de água) e, no dia anterior ao exame deve consumir somente alimentos leves, de rápida digestão, de preferência líquidos ou pastosos, como sopas e caldos.

O paciente deve ir acompanhado de uma pessoa adulta, pois não é permitido ir fazer o exame sozinho.

Preparo

Antes do procedimento o paciente ingere um medicamento para eliminar gases e bolhas, que podem atrapalhar o procedimento. Acomodado na maca é colocada uma espécie de máscara que mantém a boca do paciente aberta para que o procedimento possa ser realizado.

O paciente é sedado com medicação administrada na veia que tem efeito pontual, dura somente o tempo do exame (cerca de 15 minutos). Durante todo o período a oxigenação e a frequência cardíaca são monitoradas.

Após a sedação, o médico endoscopista introduz o endoscópio, um tubo flexível com uma câmera e iluminação na ponta, pela garganta. O instrumento traz em um monitor imagens em tempo real do aparelho digestivo do paciente. Do início ao fim, o indivíduo recebe monitoramento cardíaco e fica conectado a uma fonte de oxigênio.

Sintomas pós endoscopia

Por conta da sedação, o paciente se sente “grogue” algum tempo após o exame. Logo que sai da maca, o paciente é encaminhado para uma sala onde permanece por alguns minutos (de 15 a 30), até que passe o efeito mais intenso da sedação.

Algumas pessoas se sentem sonolentas o resto do dia, portanto é recomendado tirar o dia de licença no trabalho e não dirigir nas 24 horas seguintes.

O ideal é ir para casa com o acompanhante e permanecer em repouso até o efeito do sedativo cessar completamente (cerca de 12 horas). Após o exame o paciente pode retornar com seus hábitos alimentares normalmente, mas recomenda-se não ingerir bebidas alcoólicas por pelo menos 12 horas.

Também é normal sentir um leve desconforto na garganta após o exame.